Notícias

Ford lança nova geração do Fusion com versão topo por R$ 112.990

Ela será a primeira a chegar, em dezembro; em 2013, virá o motor flex.Carro muda completamente estará no Salão de SP: veja antes e depois.


Luciana de OliveiraDo G1, em Los Angeles (EUA) - A jornalista viajou a convite da Ford

A Ford apresentou nesta terça-feira (16), à imprensa brasileira, em Los Angeles (EUA), o novo Fusion, na versão top de linha Titanium. O modelo completa, ao lado dos já lançados novos EcoSport e Ranger, um trio de modelos que passaram por profundas transformações mecânicas e estéticas. Tal versão, chamada de Titanium AWD 2.0, sairá por R$ 112.990.
Só o preço dessa versão, que possui tração integral, foi divulgado. "O objetivo do Fusion no Brasil é disputar uma vaga na garagem de quem tem R$ 100 mil [para gastar com um carro]", explica Antonio Baltar, gerente de marketing do produto. Segundo a Ford, o novo Fusion, nos Estados Unidos, onde foi lançado neste mês, sai por cerca de US$ 36 mil (R$ 73.357 na cotação desta terça).

 

Flex em 2013

A AWD será a primeira a chegar, em dezembro (Correção: ao ser publicada, a reportagem informou que as vendas começariam em fevereiro; a informação foi corrigida às 21h50). Haverá outras três versões do novo Fusion no Brasil: Titanium 2.0 FWD (com tração apenas frontal), Duratec 2.5 flex (a primeira bicombustível do Fusion) e Titanium 2.0 Hybrid (esta última com um motor a combustão e outro elétrico). Todas chegarão no ano que vem. Segundo a Ford , a FWD seguirá a linha de equipamentos topo de linha, apenas com o teto solar como opcional.

Ford Fusion 2013 foi apresentado à imprensa brasileira em Los Angeles (Foto: Luciana de Oliveira / G1)

 

A versão AWD terá pré-venda a partir de novembro, limitada a 400 carros que serão entregues até dezembro, diz a Ford. A FWD começa a ser vendida em março, quando chega também o Fusion pela primeira vez com motor flex. Em abril, virá o híbrido.

O Fusion "antigo", com preços sugeridos no site da montadora de R$ 84,5 mil (2.5 SEL), R$ 94,3 mil (3.0 V6 SEL) e R$ 133,9 mil (Hybrid), continuará a ser vendido até novembro.

 

De Fusion, só nome

 
Revelado no Salão de Detroit, em janeiro deste ano, e flagrado em ruas do Brasil nos últimos meses, o sedã chegará às lojas lembrando muito pouco seu antecessor (veja o antes e o depois abaixo). E poderá ser conferido antes disso no Salão do Automóvel de São Paulo, na próxima semana.

"O Fusion não tem nenhuma peça do carro anterior", resume Antonio Baltar, gerente de marketing do modelo. "Ele é resultado da junção das plataformas do antigo Fusion e do Mondeo. Nela serão produzidos 1,3 milhão de carros globais", acrescenta. O sedã será vendido em 160 países e produzido em 5 fábricas -assim como ocorre com o "antigo" Fusion, os carros para o Brasil virão do México, sem taxa de importação.

 

Sem disfarces, novo Fusion roda em São Paulo antes da estreia no Salão (Foto: Rodrigo Mora / G1)

 

Principais mudanças
As principais mudanças visuais são a grade dianteira anabolizada, seguindo a nova identidade de modelos Ford, faróis afilados e lanternas agora no topo da carroceria.

Na mecânica, uma das grandes novidades é o motor da família EcoBoost, pela primeira vez ofertada no mercado brasileiro: um bloco 2.0 16V turbo movido a gasolina, reservado apenas às versões topo de linha, Titanium AWD e FWD.

 

Seguindo a tendência de motores menores e mais potentes, ele desenvolve 240 cavalos de potência a 5.500 rpm e possui torque de 34,7 kgfm, substituindo o volumoso 3.0 V6 (243 cv e 30,8 kgfm) com a promessa de mais desempenho e menos consumo. Dados da Ford apontam que o motor EcoBoost GTDI 2.0 percorre 8,1 km por litro de combustível em ciclo urbano e 10,9 km/l na estrada. A média é de 9,1 km/l.

De acordo com a fabricante, o EcoBoost 2.0 confere o mesmo nível de potência do bloco 3.0, porém, consome 15% menos de combustível e gera 15% menos emissões de CO2 na nova geração.

O objetivo do Fusion no Brasil é disputar uma vaga na garagem de quem tem R$ 100 mil "

Antonio Baltar,
gerente de marketing do Fusion

Sobre a versão híbrida, ela também vem para substituir a que já era vendida no mercado brasileiro. A Ford não mudou a estratégia, mas aproveitou para reforçar o lado "ecológico" impulsionado no país com o novo regime automotivo, que exigirá gradativa redução de consumo na linha de cada montadora, ou seja, vai considerar todos os modelos para tirar uma média, e um modelo híbrido certamente ajudará a chegar a ao resultado esperado.

"Agora com o novo regime automotivo, será importante, pela questão da economia de combustível", confirma Antonio Baltar. "Os concorrentes mostraram híbridos e elétricos em salões, mas só nós vendemos", diz o gerente.

Mais itens de série
O câmbio para todas as versões será automático, de seis marchas, com opção de trocas manuais por meio de borboletas (paddle shift) de série. Os freios possuem com sistema ABS, há controle de estabilidade e de tração, e a direção é elétrica. Os airbags serão 8: frontais, laterais, de cortina e de joelhos.

A topo de linha AWD contará com tecnologias como alerta de colisão, piloto automático que monitora a velocidade do carro à frente, alerta quando o carro sai da faixa (sem que o motorista dê seta, indicando um possível descontrole), acionamento da buzina e do pisca-alerta automático em caso de acidente, detecção de pontos cegos, câmera de ré, assistente de estacionamento, entre outros itens.

O novo carro mede 4,87 m de comprimento, 1,91 m de largura e 1,48 m de altura e tem 2,85 de distância entre-eixos. "É um pouco mais comprido e um pouco mais largo [que o anterior]", resume o gerente de marketing.

O porta-malas tem capacidade para 453 litros. Segundo a Ford, tais medidas proporcionam 972 cm de espaço para as pernas nos bancos traseiros e 1,12 m nos bancos dianteiros. Para o quadril, há espaço de1,38 m nos bancos traseiros e de 1,39 m no dianteiro.

Carro branco
As cores disponíveis para o mercado brasileiro são: vermelho, preto, cinza, prata, azul e branco - mais pedida na pré-venda no Estados Unidos, informa Baltar. Internamente, a montadora destaca no conjunto os bancos em couro, com aquecimento, acesso ao porta-malas pelo banco e 10 posições para dirigir, sendo 3 delas memorizáveis.

O sistema MyLink, da Ford, uma central onde se pode coordenar navegação por GPS, som, ligações telefônicas por voz, ar-condicionado, entre outros dispositivos, foi atualizado.

Para ler mais notícias do AutoEsporte, clique em g1.globo.com/carros. Siga também o AutoEsporte no Facebook, no Twitter e por RSS.

Veja o antes e depois do Ford Fusion 2013

 

Fonte: g1.com


Ford Dimas

Fotos

Interessado num carro novo?

Ligue para nossas lojas

Horário de funcionamento